Água da Torneira

A água não é apenas essencial ao Homem e aos Ecossistemas, mas é também um recurso económico estratégico, pelo que, a quantidade real de água disponível para uma única pessoa ou população é um tópico de particular interesse para a saúde humana e para a economia e gestão política de recursos.

Uma vez que a disponibilidade de água depende diretamente do seu consumo e gestão é necessário que seja dada cada vez mais atenção à monitorização do consumo de água para a produção de bens.

De acordo com os dados da Entidade Reguladora dos Serviços de Água e Resíduos (ERSAR) a percentagem de água segura em Portugal continental é de 98,63 %, um valor considerado de excelência, no entanto, muitos de nós continuamos a preferir beber água engarrafada.

O consumo de água da torneira contribui para:

  • Redução dos consumos energéticos e da produção de resíduos plásticos;
  • Diminuição das emissões de CO2 para o meio ambiente;
  • Criação de poupança na economia familiar, podendo gerar uma poupança de até 1500 vezes, em comparação com o valor de compra de um litro de água engarrafada.

A água da torneira deverá por isso, ser valorizada e consumida como um meio promotor da igualdade numa comunidade. O que flui nas nossas torneiras não reconhece quem bebe, é um bem essencial sobre o qual deve estar garantida a igualdade no acesso e na garantia da qualidade do serviço e da proteção dos interesses dos utilizadores, da saúde pública e do ambiente.

Factos e mitos sobre a água da torneira

Do preço à qualidade, há vários motivos para escolher beber água da torneira, no entanto, mitos associados ao consumo de água da torneira levam a que uma parte significativa da população opte por consumir água engarrafada de forma regular.

Aqui pode encontrar a resposta para algumas das questões mais frequentes relacionadas com o consumo de água da torneira e ficar a par de algumas informações importantes.

1. A água da torneira é segura para beber?

A água da torneira é rigorosamente controlada, os resultados obtidos são acompanhados atempadamente pelas autoridades de saúde e pela Entidade Reguladora dos Serviços de água e Resíduos (ERSAR) e disponibilizados publicamente.

A água da torneira é própria para consumo humano, não precisa ser filtrada nem de equipamento doméstico para tratamento da água.

2. A água engarrafada é melhor do que a água da torneira?

A água da torneira é tão saudável e segura quanto qualquer água engarrafada.

Acresce ainda o facto de ser mais acessível e barata do que a água engarrafada.

3. Preciso de filtrar a água antes de a beber?

Não. A água fornecida através da rede pública é perfeitamente equilibrada e satisfaz as nossas necessidades diárias de sais minerais. Nenhum filtro poderá melhorar este equilíbrio, podendo, caso não tenha a devida manutenção, deteriorar a qualidade da água.

Nenhum equipamento de tratamento/filtragem é adequado para permitir o consumo de água proveniente de poços ou furos.

4. O cloro presente na água da torneira faz mal à saúde?

A Organização Mundial de Saúde (OMS), nas suas Diretrizes para a qualidade da água potável (2017), destaca que podem existir alguns riscos, mas que são superados pelos benefícios do uso de cloro como agente desinfetante na água pública.

A utilização deste oxidante é efetuada há largos anos tendo sido um importante contributo para a saúde pública mundial, na medida em que permitiu o desaparecimento de inúmeras doenças transmissíveis pela água. Além disso o cloro constitui uma verdadeira barreira sanitária ao longo de todo o Sistema de Abastecimento.

5. A água da torneira pode conter quantidades residuais de medicamentos?

É verdade, embora o mesmo se aplique tanto à água da torneira quanto à água engarrafada.

A presença de resíduos de fármacos em águas superficiais e águas subterrâneas é um facto que tem vindo a ser confirmado em vários estudos a nível global, e Portugal não é exceção. A contaminação resulta da excreção, através da urina ou das fezes, de parte do fármaco que o nosso organismo não consegue metabolizar por completo, mas também de más práticas dos cidadãos na eliminação de medicamentos fora de uso. Esses resíduos são depois transportados nas águas residuais até às ETAR cujas técnicas de tratamento atualmente existentes não são eficazes na captura de todos os contaminantes que ficam nessas águas.

Cabe a cada um de nós cumprir com as melhores práticas na eliminação de resíduos de medicamentos e medicamentos fora de uso entregando-os na farmácia.

6. O que deve fazer se a água tiver gosto ou cheiro a cloro?

A eventual ocorrência de cheiro ou sabor a cloro na água da torneira resulta do processo de desinfeção da água.

O cloro é adicionado à água com o objetivo de eliminar bactérias e outros microrganismos que possam contaminar a água na rede pública. Por esse motivo, uma quantidade residual de cloro é mantida na rede até à chegada à sua torneira. Assim, é possível que note um ligeiro cheiro ou sabor a cloro ao beber água da torneira. No entanto, estas pequenas quantidades de cloro na água garantem a sua desinfeção e não representam qualquer perigo para a saúde.

Para eliminar o cheiro a cloro basta deixar a água repousar cerca de meia hora ou guardar a água no frigorífico, devidamente acondicionada. O sabor da água depende essencialmente da composição em sais, como cálcio, magnésio, sódio, potássio, da água na captação.

7. O que fazer se a água apresentar uma cor branca ou turva?

A ocorrência de cor branca na água da torneira deve-se à existência de ar dissolvido na água, com a formação de pequenas bolhas. Deve-se, principalmente, a oscilações de pressão nas tubagens ou reservatórios que tornam a água, momentaneamente, esbranquiçada.

Esta aparência é pontual e passageira, e não afeta a qualidade da água.

Basta deixar a água repousar por alguns instantes num copo transparente e verá como a água volta a ficar límpida.

8. O que fazer se a água apresentar uma cor castanha ou avermelhada?

A eventual ocorrência de cor castanha ou avermelhada na água da torneira deve-se à presença de minerais como o ferro e/ou o manganês.

Alterações na temperatura ou pressão e velocidade da água poderão originar uma turvação castanha, originada pela formação e arrastamento de depósitos de ferro nas tubagens metálicas.

É uma situação que pode ser minimizada se deixar correr a água durante algum tempo até voltar a sair límpida. Deve evitar lavar roupa com água nestas condições.

9. Como posso melhorar o cheiro ou o sabor da água da torneira?

O sabor da água depende da sua composição em sais (como por ex. de cálcio e magnésio). Para melhorar o sabor e o cheiro da água existem algumas dicas muito simples que podem ser colocadas em prática e que contribuem para aumentar a satisfação no consumo de água da torneira.

  • Em dias de maior calor a água pode aumentar a sua temperatura no caso das redes de distribuição ou prediais estarem expostas ao calor. Antes de beber, deixe correr um pouco para refrescar a água;
  • Manter a água no frigorífico, de preferência num recipiente tapado, ajuda a melhorar o sabor e a sensação de frescura;
  • As garrafas e recipientes utilizados para servir água (jarros, termos, etc.) devem ser lavados frequentemente, podendo usar-se um pouco de vinagre ou sal;
  • Caso opte por refrescar a água com cubos de gelo lembre-se de substituir regularmente a água dos cubos. Se permanecerem muito tempo sem que sejam utilizados é preferível eliminá-los porque adquirem o sabor dos alimentos armazenados no congelador;
  • Para fazer chá ou café é preferível ferver água fria, ao invés de utilizar água quente da torneira. Desta forma irá eliminar o sabor desagradável do cloro.
  • Nos frigoríficos com depósito de água e fabrico de gelo o circuito de água exige cuidados especiais devendo ser lavado frequentemente;
  • Após ausência prolongada (ex. férias) deixe a água correr um pouco antes de a utilizar para beber ou cozinhar
10. É seguro reutilizar garrafas de água de plástico?

Embora seja frequente a reutilização de garrafas de plástico descartáveis (concebidas para água engarrafada), as mesmas não são adequadas para reutilizar. Ao utilizarmos a garrafa deixamos bactérias, quer no gargalo quer no corpo da garrafa, e o formato irregular destas garrafas, muitas vezes com sulcos, estrias e pequenas mossas provocadas pela utilização, torna-as impossíveis de higienizar corretamente.

11. Qual a melhor forma de transportar água da torneira no dia a dia?

Para transportar água da torneira no seu dia a dia, prefira garrafas reutilizáveis concebidas para essa finalidade, preferencialmente de vidro ou metal, por serem mais fáceis de higienizar e serem materiais que não contêm substâncias nocivas como o bisfenol A (BPA), o qual poderá estar presente em algumas garrafas de plástico.

12. Que cuidados devo ter ao utilizar garrafas reutilizáveis?

Reutilizar uma garrafa para transportar água para consumo, seja de plástico, vidro ou metal, requer alguns cuidados já que ao beber água e manusear a garrafa deixamos bactérias que podem ser nocivas.

Ao optar por uma garrafa reutilizável deve ter os seguintes cuidados:

  • Protegê-la da luz solar
  • Lavar a garrafa diariamente com água quente e detergente
  • Substituir a água todos os dias
13. Quando substituir a minha garrafa reutilizável

Independentemente do material da sua garrafa, apesar de não ter um prazo de validade, a mesma deve ser substituída se tiver furos, partes partidas ou a cor tiver desbotado – sinais de que está demasiado velha.

14. Cafés e restaurantes podem cobrar por um copo de água da torneira?

Apesar da cobrança deste tipo de serviços não ser comum em Portugal, os estabelecimentos podem cobrar pelo serviço desde que o mesmo esteja afixado na tabela de preços e que os clientes sejam informados desse custo.

15. Estabelecimentos comerciais, como cafés e restaurantes, podem servir “água da torneira” em jarros?

A “água da torneira” pode ser servida/disponibilizada em recipientes de vários géneros desde que sejam cumpridos os requisitos de higiene e segurança.

Os jarros deverão ser feitos de materiais adequados para o contacto com o género alimentício.

16. É possível servir água da torneira em eventos públicos?

Não só é possível como é desejável. Substituir a oferta de água engarrafa por água da torneira em eventos públicos e reuniões é uma ótima forma de reduzir custos numa empresa, além de que será sempre um excelente exemplo na redução dos resíduos de plástico.